Via lamenteemeravigliosa

O conceito de verdade de James é, até hoje, um dos mais importantes tanto em âmbito filosófico como para outras disciplinas, e aplicável em quase todos as áreas.

O conceito de verdade não é fácil de definir, embora nós o utilizemos com frequência e muitas vezes lhe damos importância. Nós o usamos quase a qualquer hora do dia e sempre o mantemos à nossa disposição. No entanto, a verdade é difícil de delinear e, por mais que acreditemos que a entendamos perfeitamente, os exemplos que destacam como é difícil encontrar um espaço bem definido são claros. Neste artigo, veremos o conceito de verdade de acordo com William James (1842 – 1910), filósofo americano, professor de psicologia na Universidade de Harvard e fundador da psicologia funcional.

William James defendeu uma concepção humanista e prática da verdade, enraizada na experiência humana e indexada em termos de evidências disponíveis. O conceito de verdade de James é hoje um dos mais importantes em nas disciplinas filosóficas e outras, e aplicável em quase todas as áreas.

Verdade e conhecimento

James marcou duas maneiras de conhecer as coisas. Por um lado, o indivíduo pode entender algo instintivamente, com a experiência direta, assim como ele reconhece um objeto quando o encontra diante de seus olhos (James falou dele como um “abraço completo” do objeto pelo pensamento). . Ao mesmo tempo, pode-se aprender através de uma cadeia externa de intermediários físicos e mentais que conectam o pensamento às coisas.

Ele argumentou, portanto, que o aprendizado direto ocorre sem mediação, enquanto a verdade através do conhecimento intuitivo é uma questão de consciência direta no fluxo da experiência. Ao contrário, no conhecimento conceitual ou representativo, uma crença se torna verdadeira quando é “transportada através de um contexto que o mundo fornece”.

Verdade e verificabilidade

De acordo com William James, a verdade não é uma propriedade inerente e imutável em relação à ideia, mas assume valor de acordo com a sua verificabilidade. Nesse sentido, para James, a verificabilidade consiste em um agradável sentimento de harmonia e progresso na sucessão de idéias e fatos. Em outras palavras, uma série de idéias deve seguir uma a outra e adaptar-se harmoniosamente aos eventos da realidade que está sendo vivenciada.

As ideias reais desempenham uma função fundamental: são recursos úteis para que o indivíduo possa se orientar na realidade. Ter essas idéias é, portanto, um bem prático que pode satisfazer outras necessidades vitais. Dizendo isso, James associa o verdadeiro ao útil, introduzindo um benefício vital que merece ser preservado.

Teoria Pragmática da Verdade, de William James

A concepção da verdade por William James faz parte das teorias pragmáticas da verdade, teorias reunidas dentro da filosofia do pragmatismo. Teorias pragmáticas da verdade foram propostas pela primeira vez por Charles Sanders Peirce, William James e John Dewey. As características comuns de tais teorias são a confiança na máxima pragmática como um meio de esclarecer os significados de conceitos difíceis, como a verdade. Eles também enfatizam como a crença, a certeza, o conhecimento ou a verdade são o resultado da pesquisa.

A versão de William James da teoria pragmática pode ser resumida com sua seguinte definição: “verdade significa recorrer ao nosso modo de pensar, enquanto” certo “significa recorrer ao nosso modo de agir”. Com essas palavras, James sublinha como a verdade é uma qualidade cujo valor é confirmado por sua própria eficácia aplicada a conceitos de prática real (portanto, pragmáticos).

A teoria pragmática de James é uma síntese da teoria da correspondência da verdade e da teoria da coerência da verdade com uma dimensão extra. A verdade se torna verificável dependendo de quanto os pensamentos e afirmações coincidem com as coisas reais. É adicionado ou adaptado, assim como as peças de um quebra-cabeça podem coincidir e são verificadas pelos resultados observados da aplicação de uma ideia na prática real.

Conclusões

Nesse sentido, James argumentou que todos os processos verdadeiros devem, de alguma forma, levar à verificação direta de experiências sensíveis. Ele estendeu sua teoria pragmática muito além do potencial da verificabilidade científica, mesmo no âmbito místico. Segundo William James, em princípios pragmáticos, se a hipótese de Deus funciona satisfatoriamente no sentido mais amplo da palavra, então é “verdadeira”.

“A verdade, como qualquer dicionário irá afirmar, é uma propriedade de algumas de nossas idéias. Implica um “acordo” com a realidade, já que a falsidade significa desacordo com ela. Tanto pragmatistas quanto intelectuais aceitam essa definição como uma questão de rotina. Apenas duas questões entram em conflito: o que significa realmente o termo “acordo” e o que isso significa em relação ao conceito de “realidade”, quando a realidade é concebida como algo com o qual nossas idéias estão de acordo “.

-William James-

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.