Diário do mais popular cantor brasileiro de rock, este livro “No Baú do Raul” revela aspectos da intimidade de Raul Seixas e de sua inquieta atividade criativa. Abaixo, alguns trechos do livro:

“Eu não trago respostas. Canto minha saída mostrando que, se eu saio, todos podem sair pelas próprias portas.”

“Quero a certeza dos loucos que brilham. Pois se o louco persistir na sua loucura, acabará sábio.”

“Abomino qualquer tentativa de agregação entre pessoas que são diferentes e julgam pensar igual. Mentira!!! Toda espécie de agrupamento na vida é uma tentativa de fortalecimento, necessidade e amparo. Medo de saber que é lindo ser diferente de todos os demais.”

“Ninguém é igual. Cada homem e cada mulher é uma estrela girando em sua própria órbita. Mas a civilização, através dos séculos, não respeitou a integridade do homem, criando leis absolutas e tentando impor uma vontade comum a todos. Isso é a mesma coisa que entrar numa sapataria e mandar o sujeito só vender um número de calçado, sem respeitar aqueles que possuem os pés menores. E se o sapato escolhido não cabe em nosso pés, nós somos de qualquer forma obrigados a usá-lo. E usamos.”

“…a busca de desejos, vitrinas, se formar, ser rico, tudo isso não passa de uma tola fuga da infelicidade.”

“Aí então o mundo todo estava com um pano no pescoço, e o chefe dos soldados gostou e disse que todos tinham que usar aquilo. Foi assim que até hoje (mesmo no calor e mesmo sem pescoço grande) é que seu pai usa gravata. Tia Lúcia gosta muito de diamantes e perfumes franceses. Ela gosta porque diamante é uma pedra muito difícil, poucas pessoas têm, e ela acha bonito. Eu não gosto porque não preciso mesmo, mesmo, dele. Ele só fica ali pendurado no pescoço, e além disso ele não serve para brincar. E outra coisa, eu sou uma pessoa diferente dela e é por isso que ela gosta de diamantes e eu não. Vamos fazer um brinquedo: vamos inventar uma palavra qualquer. V-a-l-o-r. O que isso quer dizer? Valor é a maneira de cada pessoa ser diferente das outras. Cada um da um ‘valor’ àquelas coisas que cada um gosta, certo? É como dar nota. Eu dou nota 10 a minha bicicleta e dou 0 ao diamante.”

“Alguém espalhou um boato que o corpo humano, que a natureza fez igual para todos, era pecado e ninguém podia ver.”

“Vocês não querem se aperceber do que existe porque é muito mais cômodo desconhecer do que tomar consciência, não é? Isso implica cuidado, cautela, respeito e consideração, e pra vocês já pude notar que é bastante difícil.”

“Há homens que nascem póstumos.”

Para conhecer o livro, clique na imagem.

“Eu preciso de alguma coisa
Eu sempre preciso de alguma coisa
Se é um amor
Ou se é um drink
Ó diabo, eu não sei
Só sei que preciso de alguma coisa

Tá faltando alguma coisa
Sempre tá faltando alguma coisa
Se é de mudança
Se é de esperança
Ó diabo, eu não sei
Só sei que tá faltando alguma coisa

Essa insatisfação que a gente sente
Ou a solidão permanente
Tem que estar faltando alguma coisa.”

FONTEFragmentos
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS