O Grito é agora a representação mais famosa da angústia no mundo, mas quando Edvard Munch o exibiu pela primeira vez em Kristiania em 1895, teve muitos detratores. Entre eles estava um jovem estudante de medicina, que declarou na presença do artista que a pintura revelava que ele não estava de bom juízo.

Há muito se sabe que o jovem artista era profundamente sensível a essas críticas. Mas uma equipe de curadores, conservacionistas e arquivistas do Museu Nacional da Noruega provou agora como Munch levou isso a sério. Usando tecnologia infravermelha, e por comparação com as cartas de Munch, eles confirmaram que uma inscrição, adicionada a lápis no canto superior esquerdo da pintura depois de concluída, está na própria caligrafia de Munch. ‘Só pode ter sido pintado por um louco’, diz.

Leia também: Van Gogh cortou sua própria orelha depois de saber que o irmão se casaria

A inscrição foi notada pela primeira vez em 1904, mas até agora não se sabia se era obra de Munch ou graffiti de um espectador indignado. Para Mai Britt Guleng, curadora do museu que começou a investigar a inscrição, a nova atribuição revela a ‘personalidade complexa’ de Munch. “Ele pode ter acreditado na noção romântica da conexão entre criatividade e loucura”, diz Guleng. ‘Mas ele não queria ser visto como um doente mental.’ Guleng sugere que o ‘comentário irônico’ foi um meio de Munch ‘retomar o controle’ em face das especulações sobre sua saúde mental.

A análise foi realizada durante a conservação da pintura, antes de sua instalação no novo Museu Nacional de Oslo, com inauguração prevista para o próximo ano; ‘O Grito’ será exibido ao lado de várias outras obras importantes, incluindo Madonna e The Dance of Life , em uma sala dedicada a Munch.

Informações de G1

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.