A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) será a primeira montadora do mundo a usar uma tecnologia inédita de bateria com nióbio, que vai tornar a carga delas ultrarrápida, mais leve, menor de 30% a 50% e com maior autonomia do que as baterias atuais. E, ainda, acredita-se, que será mais barata. Parece muitas promessas, mas, se tratando da VWCO, CBMM, líder mundial na produção e comercialização de nióbio, e a japonesa Toshiba, é bom não duvidar.

A bateria com nióbio

Esse ineditismo na indústria automotiva está sendo possível graças a parceria com a CBMM anunciada no dia 16 de setembro. A primeira bateria com nióbio será produzida pela Toshiba no Japão e estará na fábrica de Resende (RJ) para início dos testes no primeiro no primeiro trimestre de 2022.

“Há três anos acumulamos experiência na eletrificação e agora aplicaremos essa expertise para viabilizar uma nova tecnologia em baterias. Nosso centro de desenvolvimento de e-Mobility em Resende usará nossa patenteada arquitetura modular para veículos elétricos para expandir a plataforma, que iniciou no e-Delivery, e agora avança para novos modelos. Essa aliança com a CBMM será mais um importante elo rumo à mobilidade do futuro. Nosso objetivo é criar uma solução de recarga ultrarrápida, pioneira na América Latina”, avalia Roberto Cortes, presidente e CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

O acordo com a CBMM é estratégico, pois a empresa está consolidada como uma referência mundial no desenvolvimento de novas tecnologias com Nióbio para baterias de íons de lítio, com potencial para provocar profundas transformações na indústria nos próximos anos. Já a VWCO entrará com sua expertise para estabelecer o comportamento dessas baterias no veículo, com todos os parâmetros de segurança e qualidade para concretizar o desempenho esperado.

“Essa parceria mostra o que duas grandes empresas globais podem fazer quando trabalham juntas. A experiência da VWCO na produção de veículos comerciais somada ao nosso conhecimento no desenvolvimento de tecnologias inovadoras com o Nióbio resultam em um importante passo em direção à transformação na forma como nos locomovemos, contribuindo para uma mobilidade mais sustentável”, afirma Ricardo Lima, vice-presidente da CBMM.

Segundo Ricardo Lima, vice-presidente da CBMM, “a tecnologia que será empregada nas baterias é resultado de mais de três anos de pesquisa e desenvolvimento em parceria com a Toshiba, no Japão. Pela primeira vez estamos implementando esta solução, que devido ao uso do óxido de nióbio no ânodo da bateria, permitirá uma operação de carregamento ultrarrápido, em menos de 10 minutos, maior durabilidade, vida útil e segurança”.

Além da interface e dos parâmetros da bateria, a montadora vai desenvolver e fabricar os veículos 100% elétricos que serão utilizados nesse projeto. Durante a fase de testes, a VWCO vai monitorar e adquirir os dados em tempo real, conduzindo os estudos da aplicação dos veículos. Também está sob sua responsabilidade a implantação da infraestrutura de recarga ultrarrápida e a preparação de toda a cadeia com treinamento de motoristas, orientações de segurança e suporte no desenvolvimento das carrocerias.

Segundo Rodrigo Chaves, vice-presidente de Engenharia e CTO da VWCO, representantes do poder público têm visitado a fábrica de Resende para conhecer as soluções de eletromobilidade. Esse interesse das autoridades públicas é importante, pois o investimento na eletromobilidade urbana vai ajudar a reduzir gastos com saúde pública e, necessário, para o que poder público faça os investimentos em infraestrutura necessário em vias públicas.

Inicialmente, os testes serão feitos em ônibus urbanos exatamente por ser uma rota fixa e mais fácil de montar os pantógrafos para recarregamento das baterias nos pontos de paradas durante o embarque e desembarque de passageiros. “Futuramente, nós vamos maximizar o uso da tecnologia (leia-se em caminhões)”, conclui Chaves.

Saiba mais além da bateria com nióbio: VW Meteor 2022

Os caminhões VW Meteor 28.460 e o 29.520 já podem ser adquiridos com oito bolsões de ar em ambos os modelos, seja no 6×2 ou no 6×4. Ao mesmo tempo, o cliente também pode escolher a distância entre os eixos nas seguintes opções: 3.200, 3.400 ou 3.600 mm, de acordo com o implemento mais indicado para a melhor distribuição de carga na sua aplicação, que vale ainda para a versão com suspensão metálica. Assista o vídeo:

Originalmente publicado em Transporte Mundial

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.