Descoberta das bactérias que naturalmente conseguem biodegradar os combustíveis fósseis que acabam nos oceanos devido aos derramamentos: uma nova fronteira se abre para a proteção e limpeza dos mares.

Pesquisadores da American Society for Microbiology descobriram bactérias marinhas nas águas geladas do arquipélago ártico canadense, capazes de biodegradar combustíveis como óleo e diesel.

A sequência genômica de alguns microrganismos revelou um potencial inesperado de biorremediação do ambiente marinho – especialmente nas bactérias Paraperlucidibaca , Cycloclasticus e Zhongshania . Isso poderia representar o ponto de viragem na proteção dos oceanos em resposta ao derramamento de combustível nas águas.

“O estudo confirma que oferecer nutrientes a esses microrganismos pode melhorar a capacidade das bactérias de ‘biodegradar’ substâncias combustíveis em baixas temperaturas – explica Casey Hubert , um dos autores do estudo. – As águas perpetuamente frias do Oceano Ártico assistem a um aumento crescente das atividades industriais ligadas ao comércio marítimo e ao transporte de petróleo e diesel por mar.”

O estudo foi realizado nas águas frias da Península de Labrador (Oceano Atlântico). Lá, a proteção do ecossistema marinho é particularmente importante também para os povos indígenas, que vivem do oceano.

Os cientistas simularam os efeitos de um derramamento de combustível na água do mar dentro de algumas garrafas, combinando lama do fundo do mar com água do mar artificial e adicionando óleo cru ou diesel a ela.

Os experimentos foram conduzidos a 4 ° C, aproximadamente a temperatura do Mar de Labrador e duraram algumas semanas: essas simulações mostraram que as bactérias que biodegradam os combustíveis fósseis, naturalmente presentes no oceano, representam a primeira resposta da natureza aos derramamentos de combustíveis no oceano águas.

“Com a crise climática estendendo os períodos sem gelo na camada de gelo do Ártico e aumentando a atividade industrial e comercial na área, é importante entender como o microbioma marinho do Ártico pode responder a um possível derramamento de óleo ou diesel no mar – continua Hubert . – Isso é particularmente importante porque salvar uma região tão vasta, cuja recuperação pode ser complicada e lenta.”

GreenMe

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.