“Eu não acho que o inferno existe”, disse o reverendo John Shelby Spong . “Eu acredito em vida após a morte, mas não acho que tenha algo a ver com recompensa e punição.”

Spong é um bispo americano aposentado da Igreja Episcopal e de 1979 a 2000 foi o bispo de Newark em Nova Jersey, EUA.

Ele compartilhou sua visão de que o inferno foi inventado pela Igreja para controlar as pessoas e seus comentários se tornaram virais, alcançando dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo.

A religião inventa idéias e conceitos como qualquer empreendimento humano criativo. Algumas dessas ideias ajudaram muitas pessoas a encontrar significado e satisfação em suas vidas. No entanto, muitos dos conceitos inventados pela religião têm como objetivo levar as pessoas a se conformarem a um sistema de comportamentos que garantam uma recompensa intangível na vida após a morte.

“A religião está sempre no controle dos negócios e isso é algo que as pessoas realmente não entendem. Ela controla o negócio da produção de culpa e se você tem o céu como um lugar onde você é recompensado por sua bondade e o inferno como um lugar onde você é punido por seu mal, então você tem o controle da população. ” — diz Spong

O efeito de ameaçar punir as pessoas por maus comportamentos é sufocar sua curiosidade natural.

Ele continua:

“Então eles criam este lugar de fogo que tem assustado muitas pessoas ao longo da história cristã, e faz parte da tática de controle.”

Spong está sugerindo que o Inferno é um mito e requer que as pessoas temam a existência do Inferno para ajudar a Igreja a continuar sobrevivendo.

Muitas pessoas recorrem aos ensinamentos religiosos e espirituais para orientação em um mundo caótico, mas o impacto da religião, de acordo com Spong, resulta em pessoas sendo menos responsáveis ​​por suas ações. E ele diz mais:

“A Igreja não gosta de pessoas que crescem porque você não pode controlar os adultos. É por isso que falamos sobre nascer de novo. Quando você é nascido de novo, você ainda é uma criança. As pessoas não precisam nascer de novo, elas precisam crescer, aceitar a responsabilidade por si mesmas no mundo ”.
É impossível verificar para aonde “almas” ou “espíritos” humanos vão depois da morte, mas as religiões criam mitos sobre lugares como o Céu e o Inferno. Porque será que eles fazem isto?

A resposta é simples, segundo Spong. Manter esses mitos mantém as pessoas em um estado de medo, onde elas se voltam para a Igreja como seu salvador.

No entanto, Spong levanta uma questão pertinente:

“Toda igreja que conheço afirma que somos a verdadeira Igreja, eles têm alguma autoridade suprema. Temos o papa infalível, temos a Bíblia inerrante. A ideia de que a verdade de Deus pode estar ligada a qualquer sistema humano, qualquer credo humano, por qualquer livro humano é quase além da imaginação para mim.

Spong encerra a entrevista com um poderoso apelo para que seus espectadores vejam a religião de uma maneira diferente:

“Deus não é cristão! Deus não é judeu, muçulmano, hindu ou budista. Esses são sistemas humanos que os seres humanos criaram para tentar nos ajudar a entrar no mistério de Deus ”.

 

 

Para quem se interessar em assistir ao vídeo com a entrevista em inglês (sem legendas em Br):

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS