Vestindo calças de moletom pretas, jaquetas vermelhas e capacetes brancos, as centenas de ciclistas pedalando nas passagens estreitas e íngremes de montanhas traiçoeiras da Índia para o Nepal podem ser confundidas com uma versão do Tour de France no Himalaia.

A semelhança, no entanto, termina aí. Essa jornada é mais longa e mais difícil, o prêmio não tem valor financeiro ou reconhecimento global e os participantes não são ciclistas profissionais, mas freiras budistas da Índia, Nepal, Butão e Tibete.

Quinhentas freiras da seita budista conhecida como Ordem Drukpa, completaram no sábado uma caminhada de bicicleta de 4.000 km, de Kathmandu, no Nepal, até a cidade de Leh, no norte da Índia, para aumentar a conscientização sobre o tráfico de pessoas na região remota.

“Quando estávamos prestando assistência humanitária no Nepal após os terremotos no ano passado, ouvimos como as meninas de famílias pobres estavam sendo vendidas porque seus pais não podiam mais mantê-las”, disse a freira Jigme Konchok Lhamo, de 22 anos, à Thomson Reuters. Fundação.

“Queríamos fazer algo para mudar essa atitude de que as meninas são menos que os meninos e que não há problema em vendê-las”, disse ela, acrescentando que o passeio de bicicleta mostra que “as mulheres têm poder e força como os homens”.

O sul da Ásia pode se orgulhar de mulheres líderes e abrigar culturas que reverenciam a maternidade e adoram divindades, mas muitas meninas e mulheres vivem com a ameaça de violência e sem muitos direitos básicos.

De assassinatos por honra no Paquistão a feticídios na Índia e casamento infantil no Nepal, as mulheres enfrentam uma enxurrada de ameaças, embora a crescente conscientização, melhores leis e empoderamento econômico estejam trazendo uma lenta mudança de atitudes.

A caminhada de bicicleta, do Nepal à Índia, não é novidade para as freiras Drukpa.

Esta é a quarta jornada que elas fazem, encontrando pessoas locais, funcionários do governo e líderes religiosos para espalhar mensagens de igualdade de gênero, convivência pacífica e respeito ao meio ambiente.

Elas também entregam comida aos pobres, ajudam os moradores a obter assistência médica e são apelidadas de “freiras do Kung Fu” devido ao seu treinamento em artes marciais.

Lideradas pelo Gyalwang Drukpa, chefe da Ordem Drukpa, as freiras erguem as sobrancelhas, principalmente entre os budistas, por suas atividades não-ortodoxas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.