O Chile inaugurou a primeira usina termossolar da América Latina, um vasto complexo denominado Cerro Dominador no deserto do Atacama que dá um impulso à busca do país pela neutralidade de carbono até 2050.

Em uma área de mais de 700 hectares, 10.600 espelhos circundam uma torre de 250 metros de altura encimada por um receptor no qual os raios do sol são refletidos.

Os sais fundidos no receptor absorvem o calor e são usados ​​para gerar eletricidade – até 110 megawatts – por meio de uma turbina a vapor.

Combinado com uma usina fotovoltaica adjacente, o complexo Cerro Dominador é capaz de produzir 210 megawatts de energia renovável.

Uma característica do projeto é que os sais podem armazenar energia por até 17,5 horas, permitindo que o sistema continue operando sem luz solar direta, e por 24 horas por dia, dizem seus operadores.

“Isso nos permitirá economizar mais de 600.000 toneladas de emissões de CO2 por ano. Isso é equivalente ao que 300.000 carros emitem em um ano”, disse o presidente chileno Sebastian Pinera no evento de inauguração.

O dióxido de carbono é o mais abundante dos gases de efeito estufa criados pelo homem, culpado pelas mudanças climáticas e pelo aquecimento do planeta.

É gerado pela queima de combustíveis fósseis à base de carbono usados ​​no transporte e geração de energia, construção, desmatamento, agricultura e outras práticas, e persiste na atmosfera e nos oceanos por milhares de anos depois de ser emitido.

Em linha com o acordo climático de Paris de 2015, que visa manter o aquecimento global em não mais de 2 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais, o Chile se comprometeu a tornar sua economia neutra em carbono até 2050, o que significa que não emite mais do que pode compensar por meio de outros meios.

A construção do projeto Cerro Dominador começou em 2014 no meio do deserto do Atacama, cerca de 3.000 metros acima do nível do mar, no norte quente, seco e ensolarado do Chile.

Pinera disse que o Chile inaugurará mais projetos de energia limpa em 2021 do que em toda a sua história anterior para enfrentar o “desafio urgente” da mudança climática.

Isso incluirá a eletrificação do transporte público, substituindo a energia baseada no carbono por alternativas verdes e expandindo as florestas que absorvem CO2.

Fonte: Bangkok post

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.