A primeira missão tripulada da história chegou ao fundo da Fossa do Atacama, a região mais profunda do Pacífico Oriental. Em 21 de janeiro, o veterano explorador oceânico Victor Vescovo e o oceanógrafo Dr. Osvaldo Ulloa viajaram para o ponto mais profundo, chamado Richards Deep, que eles mediram como 8.069 metros (26.465 pés) abaixo do nível do mar.

O cânion abissal, também conhecido como Fossa Peru-Chile, foi criado pela subducção da placa oceânica de Nazca sob a placa continental sul-americana. Estende-se por 5.900 quilômetros (3.666 milhas) flanqueando uma grande parte do lado ocidental do continente.

Explorar o fundo do oceano requer um submarino especial capaz de lidar com pressões incríveis. Vescovo tem exatamente isso. Chamado de Fator Limitante, o pequeno submersível atingiu os pontos mais profundos debaixo d’água, mas está longe de ser confortável. Em entrevista ao IFLScience, o explorador Richard Garriott nos contou como foi chegar à Fossa das Marianas no submersível no início do ano passado.

A missão ao fundo da Fossa do Atacama não é apenas para quebrar recordes, mas também tem objetivos científicos importantes. Por isso, envolveu o Dr. Ulloa, Diretor do Instituto Milenio de Oceanografia (IMO). A IMO está a estudar o fundo do mar da fossa e as suas profundidades detalhadas para que no futuro seja possível instalar sensores para o projeto IDOOS do Instituto (Integrated Deep Ocean Observing System for geoscience research).

“Foi um grande privilégio pilotar a primeira descida humana ao fundo da Fossa do Atacama com o Dr. Ulloa. Poder deslizar pelo fundo do mar por três horas, investigando pessoalmente pontos interessantes com alguém que estudou a área durante grande parte de sua carreira, foi simplesmente fantástico”, disse Vescovo, fundador da Caladan Oceanic, em um comunicado visto pela IFLScience.

“Este foi um grande dia para a ciência chilena. Graças a Victor Vescovo e Caladan Oceanic, pudemos testemunhar diretamente a incrível riqueza geológica e biológica da Fossa do Atacama”, acrescentou o Dr. Ulloa.

“Fazer a exploração ao lado de Victor foi um tremendo privilégio e uma experiência gratificante, e somos muito gratos a ele, assim como a toda a equipe do Submersível Limiting Factor e sua embarcação de apoio Pressure Drop.”

Alcançar o Richards Deep foi apenas o primeiro de vários mergulhos planejados no Pacífico Oriental, até a Fossa Mid-American na costa oeste do México. A expedição também descobriu o segundo ponto mais profundo – 7.727 metros (25.350 pés) abaixo do nível do mar – na trincheira, localizada 142 quilômetros (88 milhas) ao norte de Richards Deep. Este local foi então visitado por Vescovo e Dr. Ruben Escribano em 23 de janeiro.

Apesar das incríveis profundezas, os exploradores viram que a vida ali existia sem se deter. A filmagem mostra muitos holoturianos – comumente chamados de pepinos-do-mar ou porcos-do-mar – no fundo do oceano, onde nenhuma luz chegou antes que o submersível chegasse lá.

“Juntos, testemunhamos algumas evidências surpreendentes do que parecem ser mais exemplos de quimiossíntese nas fossas oceânicas profundas do mundo”, continuou Vescovo. “Aqui, no entanto, vimos longas gavinhas bacterianas saindo de faces rochosas que nunca veem a luz do sol e obtêm sua energia dos minerais e gases que vazam das rochas, cercadas por um ambiente de água do mar congelante, simplesmente extraordinário.”

Informações BBC Brasil

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.