HUFFPOST AUSTRÁLIA

As mulheres na China estão, secretamente, resistindo às repressões do governo em discussões sobre seu movimento Me Too com uma solução inteligente.

A frase “coelhinho de arroz” (米兔), pronunciado como “mi tu”, (fonética semelhante a “me too” em inglês) apareceu nas redes sociais depois que os censores removeram postagens que mencionavam assédio sexual ou a hashtag #MeToo. Enquanto essas frases são fortemente monitoradas, Coelhinho de arroz não é.

Além dos emojis de arroz e coelho, os usuários de mídias sociais também usam a frase em hashtags populares # 米 兔 不能 忘 # (“Coelho de arroz nunca se esqueça”) e # 米 兔 在 中国 # (“Coelho de arroz na China”). Usuários de mídia social as usam em campanhas, fóruns e várias contas em plataformas como Weibo e WeChat para discutir tópicos como desigualdade de oportunidades, violência doméstica e assédio sexual. A nova frase é mais difícil de ser seguida pelos censores, já que “arroz” e “coelhinho” são palavras tão comuns que proibir sua participação em uma plataforma seria muito difícil.

Uma postagem recente no Weibo, que usa as hashtags, pede que outras pessoas enfrentem a desigualdade de gênero, combatam a discriminação e a violência e critiquem a censura às mensagens feministas, de acordo com uma tradução do HuffPost. Outro post mostra uma mulher segurando uma placa que diz: “A luta contra o assédio sexual é muito mais importante do que fazer compras”.

O movimento feminista na China experimentou um ressurgimento nos últimos anos, particularmente entre as gerações mais jovens, muitas vezes atraindo influência dos países ocidentais. Mas a ascensão do feminismo amplificou a complicada relação do país com a igualdade de gênero.

As mulheres na China, particularmente nas áreas urbanas, viram considerável mobilidade profissional nas últimas décadas em certas indústrias, como a tecnologia. Quase 80 por cento das empresas têm mulheres em posições de topo, de acordo com o The Atlantic . Para comparar, cerca de metade das empresas de tecnologia dos EUA empregam mulheres nesses lugares. E em dezembro de 2015, o país aprovou sua primeira legislação contra a violência doméstica – uma lei importante para a China.

Mas, assim como muitos outros movimentos sociais e políticos, como a Revolução do Guarda-chuva de 2014 e os protestos pró-democracia de 2011, o feminismo encontrou resistência do governo. Em um dos casos de maior repercussão, a polícia de Beijing prendeu e deteve cinco ativistas pela igualdade de gêneros, conhecidas como “As Cinco Feministas”, em 2015, por planejar protestos contra o assédio sexual.

O movimento #MeToo na China foi em grande parte inspirado por Luo Xixi, uma ex-aluna que compartilhou um ensaio on-line descrevendo ser agredida sexualmente por Chen Xiaowu, professor da Universidade Beihang. Chen foi rapidamente demitido depois que a peça de Luo se tornou viral e uma investigação descobriu que ele tinha um histórico de assédio sexual. Sua peça provocou longos debates sobre o assédio sexual no Weibo e em outras plataformas online.

Desde então, no entanto, as populares contas Weibo #MeToo e Feminist Voices (Vozes feministas) foram suspensas várias vezes devido a suas críticas à desigualdade de gênero na sociedade chinesa. Perfis e hashtags nas mídias sociais chinesas continuam sendo monitorados e freqüentemente retirados. No entanto, com o encerramento de cada perfil, são lançados novos sob diferentes identificadores. As criativas hashtags como a “Coelhinho de Arroz” são apenas mais um exemplo da resiliência dentro do movimento feminista da China.

“As mulheres chinesas se sentem muito desiguais todos os dias de suas vidas, e o governo não pode deixar as mulheres indiferentes à profunda injustiça que sofrem”, disse Lu Pin, a fundadora da Feminist Voices, após a divulgação da proibição de 30 dias. . “O movimento feminista é sobre a construção de uma comunidade para abordar as preocupações cotidianas das mulheres.”

No passado, as ativistas usaram o jogo de palavras para evitar a censura da China e até mesmo criticá-la. Em 2009, os usuários de mídias sociais usaram o “cavalo da lama” – uma frase pronunciada similarmente às palavras em chinês para “foder sua mãe” – para expressar oposição à censura na internet. “Caranguejo-do-rio”, que é pronunciado de forma semelhante à expressão chinesa para harmonia, tornou-se um eufemismo para a própria censura. Os usuários on-line que foram censurados podem dizer aos outros que suas postagens foram “harmonizadas”.

 

 

Traduzido por Pensar Contemporâneo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.