Os delegados escolheram no domingo uma mulher do povo mapuche de maioria indígena do Chile para liderá-los na elaboração da nova constituição do país – uma reviravolta dramática para um grupo que não é reconhecido no atual livro de regras do país.

Elisa Loncon, 58, política independente, é professora universitária de Santiago e ativista pelos direitos educacionais e linguísticos Mapuche. Ela foi escolhida por 96 dos 155 homens e mulheres, incluindo 17 indígenas, que compõem o órgão constitucional que redigirá um novo texto para substituir a anterior carta magna do Chile produzida durante a ditadura de Augusto Pinochet.

Loncon aceitou a posição com o punho cerrado acima da cabeça, dizendo a seus colegas para as comemorações barulhentas: “Saúdo o povo do Chile do norte à Patagônia, do mar às montanhas, às ilhas, todos aqueles que nos assistem hoje, ” ela disse.

“Agradeço o apoio das diferentes coalizões que colocaram sua confiança e seus sonhos nas mãos da nação mapuche, que votou em um mapuche, uma mulher, para mudar a história deste país”.

Sua eleição representa um ponto alto em um dia de grande drama que incluiu a suspensão do juramento dos delegados após protestos dentro e fora do local, e confrontos com a polícia forçaram o adiamento do evento.

Os problemas surgiram depois que marchas organizadas por grupos independentes, de esquerda e indígenas em campo com delegados para o órgão constitucional, bem como outros grupos de interesse, encontraram policiais fortemente armados que comandavam barricadas do lado de fora do antigo prédio do congresso de Santiago, onde a cerimônia estava sendo realizada.

Os delegados dentro do evento protestaram com os organizadores sobre as táticas violentas da polícia, batendo tambores e gritando por causa de uma orquestra clássica juvenil que tocava o hino nacional.

Em meio a demandas dos delegados para a retirada da polícia das forças especiais “repressivas”, o oficial da justiça eleitoral que presidia a cerimônia concordou em suspender o evento até o meio-dia.

O tumulto destacou os intensos desafios para a redação de uma nova carta magna contra um pano de fundo de profundas divisões que ainda fervilham depois que o Chile foi dilacerado por protestos massivos que começaram em outubro de 2019 contra desigualdade e elitismo e foram alimentados por uma resposta policial feroz.

O órgão constitucional foi escolhido por voto popular em maio e é dominado por candidatos independentes e de esquerda, alguns com raízes no movimento de protesto, com uma parcela menor de candidatos mais conservadores apoiados pelo atual governo de centro-direita.

Fonte: World Economic Forum

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.