Um ano antes de sua morte, o escritor Franz Kafka teve uma experiência verdadeiramente incomum. Enquanto caminhava pelo Parque Steglitz, como costumava fazer todos os dias, ele encontrou uma menina chorando de desespero: ela havia perdido sua boneca.

Elsi, este é o nome da menina, estava em prantos, queria sua Brigid perdida, ninguém sabe onde. Kafka ficou muito impressionado com a forma como a menina estava desesperada e com a intensidade de sua dor, então se ofereceu para ajudá-la a encontrá-la. Infelizmente as coisas não correram como ele esperava, a boneca não foi encontrada, mas ele inventou uma forma única de consolar a criança. Escreveu secretamente uma carta e disse à menina que era da sua boneca amada, Brígida tinha ido viajar, mas teve sorte, porque ele era o carteiro da boneca.

“Por favor, não chore, fiz uma viagem para conhecer o mundo, vou te reescrever e contar sobre minhas aventuras”, dizia a carta. Em seguida, seguiu um belo conto de aventuras imaginárias, viagens e fantasia. Elsi, lendo aquelas palavras sugestivas que a mandaram de volta a lugares distantes, imediatamente se sentiu consolada. Por fim, o escritor deu a ela uma nova boneca, claramente diferente da perdida. Mas sua aparência diferente era justificada por uma nota: “Minhas viagens me mudaram”.

Alguns anos depois, a menina encontrou um bilhete bem dentro de sua boneca que dizia: ‘tudo o que você ama muito provavelmente você vai perder, mas eventualmente o amor vai mudar para uma forma diferente.’

Essa história, tão bela que não parece verdadeira, foi contada por Dora Diamant, parceira de Kafka, que mais tarde se tornou um livro ‘Kafka e a boneca viajante’ e uma transposição para a televisão e contém uma ponte entre o mundo dos adultos e o dos crianças.

Leia também: 18 citações extraordinárias de Franz Kafka que vão fazer você pensar

Já nas páginas do livro de Jordi Sierra i Fabra lemos a história de Dora:

“Quando estávamos em Berlim, Kafka ia com frequência ao Steglitzer Park. Às vezes eu o acompanhava. Um dia conhecemos uma menina que chorava e parecia desesperada. Nós conversamos com ela. Franz perguntou a ela o que havia acontecido com ela e soubemos que ela havia perdido sua boneca. Ele imediatamente veio com uma história plausível para explicar o desaparecimento. “Sua boneca está de viagem, eu sei, ela me escreveu uma carta.” A menina ficou um pouco desconfiada: “Você está com raiva de você?” “Não, deixei em casa, mas trago para você amanhã.” A menina, intrigada, já havia quase esquecido suas preocupações, e Franz foi imediatamente para casa escrever a carta.

Pôs-se a trabalhar com toda a seriedade, como se fosse a criação de uma obra. Ele estava na mesma condição tensa em que se encontrava assim que se sentou à mesa ou quando estava apenas escrevendo para alguém. Entre outras coisas, era realmente um trabalho de verdade, tão essencial quanto os outros, porque a criança tinha absolutamente que ser feita feliz e protegida de decepções. A mentira, portanto, teve que ser transformada em verdade por meio da verdade da ficção. No dia seguinte, ela levou a carta para a menina, que a esperava no parque. A boneca explicou que já estava farta de viver sempre na mesma família e expressou o desejo de mudar um pouco o ar, enfim, queria se separar por um tempo do filho, que ela tanto amava.

Depois de alguns dias, a criança havia esquecido a perda real de seu brinquedo e pensava única e simplesmente na ficção que lhe fora oferecida em substituição. Franz escreveu todas as frases desse tipo de romance com tanta precisão e humor que a situação da boneca era perfeitamente compreensível: ela havia crescido, tinha ido à escola, tinha conhecido outras pessoas. Sempre assegurou ao filho o seu amor, mas também aludiu a complicações da sua vida, a outros deveres e outros interesses que, naquele momento, não lhe permitiam retomar a vida em comum. A menina foi convidada a refletir sobre isso e, portanto, preparada para a renúncia inevitável.

O jogo durou pelo menos três semanas. Franz estava apavorado com a ideia de como tudo poderia acabar. Porque o fim tinha que ser um fim real, ou seja, tinha que permitir que a ordem substituísse a desordem causada pela perda do brinquedo. Ele procurou por muito tempo e finalmente decidiu se casar com a boneca. Primeiro ela descreveu o futuro marido, a festa de noivado, os preparativos do casamento, depois em todos os detalhes a casa do jovem casal: “Veja por si mesmo que teremos de desistir de nos ver novamente no futuro.” Franz havia resolvido o pequeno conflito de uma criança através da arte, através dos meios mais eficazes que ele pessoalmente tinha à sua disposição para restaurar a ordem no mundo. “

Fonte: Livro Kafka e a boneca viajante / via GreenMe / Créditos da imagem: © Pensieri Rubati/Facebook

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.