Por John Sauven

Mahatma Gandhi e Che Guevara: essas duas figuras históricas são muitas vezes apontadas como representantes de duas correntes de pensamento político sobre a mudança revolucionária. Em termos simples, é freqüentemente dividido em luta violenta versus não violenta para alcançar liberdade, igualdade e fraternidade. Em termos de escolha de um vencedor, a pesquisa mostra que as revoluções não violentas são duas vezes mais eficazes que as revoluções violentas, e também levam a um grau muito maior de liberdade democrática.

Até certo ponto, há muitas semelhanças entre Gandhi e Guevara. Ambos eram profissionais de classe média e homens. Ambos tinham ideais utópicos. Ambos lutaram por uma sociedade mais justa. Mas é claro que os métodos deles eram completamente diferentes. Guevara acreditava na revolução armada. Ele foi muito influenciado pelo que estava acontecendo na América Latina naquela época: do envolvimento de corporações multinacionais dos EUA na derrubada de governos democráticos para a exploração brutal de trabalhadores agrícolas em plantações. Gandhi tinha uma visão muito diferente. Ele também viu uma pobreza terrível e racismo quando estava na África do Sul e testemunhou a pobreza e a injustiça sob o domínio colonial britânico na Índia. Mas ele tinha uma visão muito diferente sobre como trazer mudanças sociais. Ele viu a ação direta não violenta não como uma ferramenta passiva, mas o oposto. Ele diria que é muito mais corajoso, muito mais difícil, muito mais desafiador, ser não violento do que ser violento.

“Eu posso fazer uma pessoa violenta não violenta, mas não posso fazer um covarde não violento.”
Mahatma Gandhi

Foi a Marcha do Sal na Índia, durante a década de 1930, que chamou a atenção de Gandhi para o mundo. Durante seu protesto não-violento contra o monopólio do sal britânico, Gandhi andou 240 milhas ao longo de 24 dias, reunindo um número cada vez maior de seguidores. Eles marcharam pelo direito de produzir sal sem pagar um imposto colonial britânico. Gandhi viu isso como uma forma de mobilizar milhões de pessoas em toda a Índia, desafiando não violentamente a autoridade britânica. Após a marcha, 80.000 indianos foram presos e centenas de pessoas foram mortas, massacradas por governantes coloniais britânicos. Estas foram lutas muito violentas, mas a violência veio do opressor e os manifestantes não revidaram essa violência com armas. E não foi apenas uma marcha, eles empregaram muitas táticas para invadir os governantes coloniais, incluindo a aglomeração das prisões por ter milhares de pessoas presas.

A Marcha do Sal transformou as pessoas pela experiência. E os efeitos foram de grande alcance. Ela teve uma influência significativa sobre Martin Luther King e outros que lutavam pelos direitos civis dos negros nos EUA. O boicote aos ônibus de Montgomery, no qual Rosa Parks foi solicitada a desistir de seu assento para um passageiro branco e depois ser presa por não-cumprimento, estimulou Martin Luther King em seu auxílio. Em 1955, os moradores negros de Montgomery boicotaram o sistema de ônibus por mais de um ano até que a Suprema Corte dos Estados Unidos anulou a cidade de Montgomery e a segregação de passageiros negros e brancos foi abolida. Depois daquele ano de protestos não violentos, a longa história de opressão começou a mudar e Martin Luther King tornou-se uma figura icônica dentro do movimento negro pelos direitos civis.

“A não violência é uma arma poderosa e justa. De fato, é uma arma única na história, que corta sem ferir. ”
Martin Luther King

Tipos similares de atividades foram usados ​​muito mais tarde por, por exemplo, mulheres em Greenham Common que foram para a prisão em vez de pagar multas para tornar o sistema prisional impraticável. Essas táticas foram muitas e variadas e acho que é por isso que, de certo modo, Gandhi se tornou uma figura muito mais influente do que Guevara. Ele liderou um movimento que mostrou que, se você retirar o consentimento e a cooperação, a classe dominante não pode governar. Era a política das pessoas comuns: baseada em massa. Resistia à tirania sem usar violência. Muitos dos direitos civis, trabalho, paz, meio ambiente e movimento de mulheres, usando boicotes, ocupações e greves de fome, foram inspirados e aprendidos dessa luta contra o domínio colonial britânico na Índia.

 

Artigo da revista IaiNews traduzido por nossa equipe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.