O ministro da proteção do cidadão, Michalis Chrisochoidis, disse que a extensão da cerca existente de 12,5 km em sua fronteira com a Turquia está completa e foi equipada com um sistema de monitoramento eletrônico automatizado de alta tecnologia.

A Grécia concluiu as obras em uma cerca de 40 km com sistema de vigilância para impedir que os requerentes de asilo entrem na Europa após a tomada do Afeganistão pelo Taleban.

Os eventos no Afeganistão alimentaram temores na União Europeia de uma repetição da crise de refugiados de 2015, quando quase um milhão de pessoas fugindo da guerra e da pobreza no Oriente Médio e além cruzaram a Grécia da Turquia antes de viajar para o norte para países mais ricos.

A Grécia estava na linha de frente dessa crise e disse que suas forças de fronteira estão em alerta para garantir que não se torne novamente a porta de entrada da Europa.

A crise do Afeganistão criou “possibilidades para fluxos de migrantes”, disse o ministro da proteção dos cidadãos, Michalis Chrisochoidis, após visitar a região de Evros na sexta-feira com o ministro da Defesa e o chefe das Forças Armadas.

“Não podemos esperar, passivamente, pelo possível impacto. Nossas fronteiras permanecerão seguras e invioláveis”, acrescentou.

Chrisochoidis disse que a extensão da cerca existente de 12,5 km em sua fronteira com a Turquia foi concluída nos últimos dias e equipada com um sistema de monitoramento eletrônico automatizado de alta tecnologia.

As chegadas de migrantes à Grécia, por terra ou mar, diminuíram lentamente desde 2016, quando a UE fechou um acordo com a Turquia para conter o fluxo em troca de apoio financeiro.

O primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis e o presidente turco Tayyip Erdogan discutiram o Afeganistão por telefone na sexta-feira.

Erdogan disse que o Irã – uma rota chave para afegãos na Turquia – deve ser apoiado ou uma nova onda de migração é “inevitável”, disse um comunicado de seu gabinete.

A Grécia endureceu sua política de migração nos últimos meses, cercando seus campos de migrantes e revelou planos de construir duas instalações fechadas para abrigar requerentes de asilo nas ilhas de Samos e Lesbos, perto da Turquia.

Têm ocorrido cenas caóticas fora do aeroporto de Cabul todos os dias desta semana, enquanto multidões desesperadas de afegãos tentam fugir do país .

Atualmente, há uma corrida contra o tempo para fazer com que ocidentais e seus aliados afegãos, incluindo tradutores, intérpretes e outras pessoas vulneráveis, saiam do Afeganistão, antes que os soldados americanos, que lideram o esforço de evacuação, deixem o país em 31 de agosto.

Mas o Taleban garantiu aos EUA que permitirão que os afegãos partam depois de 31 de agosto, se assim o desejarem, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA.

O Reino Unido se comprometeu a receber até 5.000 refugiados afegãos no primeiro ano de um novo esquema de reassentamento separado e até 20.000 no longo prazo.

Informações do G1

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.