Por Erick Morais
O que é mais importante o peso ou a leveza? Questionamento difícil de responder, afinal ambas possuem qualidades e vicissitudes, de tal modo que a questão torna-se um ponto alto de reflexão. É desse modo que se constrói “A Insustentável Leveza do Ser”, obra-prima do Tcheco Milan Kundera, ao comparar essas duas características por meio de uma reflexão filosófica marcada por um tom poético, garantindo à obra uma beleza sem igual na literatura.

Na contemporaneidade, a leveza, ou seja, a ideia de ser livre ganhou destaque. Estar na moda é ser livre, é viver de forma desprendida em relação ao que nos circunda. A liberdade passou a ser vangloriada como uma grande virtude, a virtude daqueles que sabem voar. Mas será que a leveza é mesmo uma virtude? A felicidade está imbricada à liberdade?

O ser leve é aquele que não cria vínculos, não carrega malas, pois os vínculos trazem pesos que o impedem de flutuar pela vida. Para o ser leve não há quem lhe diga o que fazer ou não fazer, o certo ou errado; é livre para expor seus pensamentos, sentimentos e desejos.

O ser leve dança com destreza, ri da vida, afinal, não existe algo que o prenda, que o impeça de falar e fazer o que lhe apetece. Por isso, a leveza era vista por Parmênides (filósofo grego), como positiva. O ser só é completo, quando possui a liberdade para ser o seu eu sem restrições; sem peso.

Assim, a leveza é vista de forma positiva, como uma espécie de ser lúdico que passeia pela vida. De fato, é preciso ter leveza para sonhar, enxergar o inimaginável, arriscar, experimentar. Pois:

“Pelo fato da vida ser, relativamente, tão curta e não comportar ‘reprises’, para emendarmos nossos erros, somos forçados a agir, na maior parte das vezes, por impulsos, em especial nos atos que tendem a determinar nosso futuro.”

Se olhado sob essa perspectiva, o peso é negativo (era assim que Parmênides o via). Entretanto, o que é a vida senão um caminhar de mãos dadas? O peso vem quando nos relacionamos, mais que isso, quando nos permitimos ser tocados. O peso está em tudo que nos move, nos liga. O peso é a voz do outro que ecoa dentro de nós.

O peso nos faz terrenos, nos faz fracos, nos impede, muitas vezes, de fazer, de dizer. Mas, é esse mesmo peso que nos aproxima dos outros, do ser amado e dá sentido à vida. O peso nos aproxima do chão, permite que olhemos nos olhos do outro e possamos sentir a dor que o aflige.

“Mesmo nossa própria dor não é tão pesada como a dor co-sentida com outro, pelo outro, no lugar do outro, multiplicada pela imaginação, prolongada em centenas de ecos.”

O amor, assim, está no campo do peso. Tudo que amamos nos traz um peso, já que, quando amamos algo, destinamos uma força enorme para segurá-lo. Não somente uma pessoa, mas também uma causa, a qual nos dedicamos tanto, que é impossível viver sem ela.

O peso nos dá sentido e nos guia na neblina. Mas, como peso, traz consequências negativas; choro, tristeza, e, por vezes, nos prende, nos sufoca, como num beco sem saída. Dessa forma, qual o melhor caminho?

“Quanto mais pesado o fardo, mais próxima da terra está a nossa vida, e mais ela é real e verdadeira. Por outro lado, a ausência total de fardo faz com que o ser humano se torne mais leve do que o ar, com que ele voe, se distancie da terra, do ser terrestre, faz com que ele se torne semi-real, que seus movimentos sejam tão livres quanto insignificantes. Então, o que escolher? O peso ou a leveza?”

A leveza por si só tornar-se insustentável, pois à medida que nos elevamos, uma responsabilidade nos é colocada (e responsabilidades tiram a leveza). A responsabilidade de ser livre impõe decisões sem nenhum apoio, sem nenhuma ajuda, sem importância aos outros.

O peso, por sua vez, nos faz terrenos, dramáticos, necessários, importantes. Como já dito, é preciso sonhar e arriscar, isto é, ser leve. Mas, é preciso ser importante, fazer com que alguém te porte para dentro (importe) e divida a dor que faz parte da vida.

A leveza e o peso são contraditórios e complementares. A vida necessita dos dois. A leveza para voar, sonhar, ri; o peso para amar, importar, chorar. Pois, como diz Machado:

“Enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria monótono, tudo rindo cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas, acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida.”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Erick Morais
Poderia dizer o que faço, onde moro; mas, sinceramente, acho clichê. Meus textos falam muito mais sobre mim. O que posso dizer é que sou um cara simples. Talvez até demais. Um sonhador? Com certeza. Mais que isso. Um caso perdido de poesia ou apenas um menestrel caminhando pelas ruas solitárias da vida.

COMENTÁRIOS