Os humanos correm o risco de expulsar de casa seus parentes animais mais próximos.

Um novo estudo publicado na revista Diversity and Distributions Sunday advertiu que os grandes macacos da África podem perder mais de 90 por cento de seu habitat nos próximos 30 anos devido às pressões combinadas do crescimento da população humana, extração de recursos e crise climática .

“É uma tempestade perfeita para muitos de nossos parentes genéticos mais próximos, muitos dos quais são espécies emblemáticas dos esforços de conservação na África e no mundo”, disse ao The Guardian a líder do estudo e bióloga da Liverpool John Moores University, Joana Carvalho . “Se adicionarmos as mudanças climáticas às causas atuais da perda de território, o quadro parece devastador.”

Todos os grandes macacos da África – chimpanzés, gorilas e bonobos – já estão listados como em perigo ou criticamente em perigo pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), como observou a Sociedade Max Planck. Para determinar como essas espécies icônicas se sairiam no futuro, uma equipe internacional de pesquisadores de quase 50 universidades, instituições e grupos conservacionistas, incluindo o Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária, consultou o banco de dados de macacos da IUCN, como explicou o The Guardian. Este banco de dados fornece informações sobre população, ameaças e esforços de conservação em centenas de locais nos últimos 20 anos. Com base nesses dados, os pesquisadores modelaram os impactos das mudanças climáticas, o crescimento populacional e as mudanças no uso da terra até 2050 usando o melhor e o pior cenário.

“‘Melhor caso’ implica em diminuir lentamente as emissões de carbono e que medidas de mitigação apropriadas serão postas em prática”, disse a coautora do estudo e Centro Alemão para Pesquisa Integrativa da Biodiversidade e a pesquisadora de pós-doutorado da Universidade Martin Luther, Jessica Junker, à Max Planck Society. “‘Pior caso’ pressupõe que as emissões continuem a aumentar sem controle – em outras palavras, negócios como de costume.”

Na melhor das hipóteses, os macacos ainda perderiam 85 por cento de seu alcance, 50 por cento fora dos parques nacionais e outras áreas protegidas. Na pior das hipóteses, eles perderiam 94% de seu alcance, 61% fora dos parques nacionais.

“O que está previsto é muito ruim”, disse Carvalho ao The Guardian.

Parte do problema é que 30 anos simplesmente não é tempo suficiente para que os grandes macacos migrem para habitats mais adequados à medida que o clima muda. Outro problema é que as temperaturas mais altas empurrarão as condições ideais das terras baixas para as terras altas, mas nem todos os grandes macacos vivem em áreas com fácil acesso a ambientes mais elevados.

“À medida que a mudança climática força os diferentes tipos de vegetação a essencialmente mudar para cima, isso significa que todos os animais – não apenas os grandes macacos – que dependem de determinados tipos de habitat serão forçados a subir a colina ou se extinguir localmente”, a pesquisadora Fiona Maisels da Vida Selvagem Conservation Society disse ao The Guardian. “Mas quando as colinas são baixas, muitas espécies não serão capazes de subir mais alto do que o permitido pela terra, e um grande número de animais e plantas simplesmente desaparecerão.”

Embora isso seja sombrio, há coisas que podemos fazer agora para garantir um futuro melhor para os grandes macacos. Um passo importante é garantir que as áreas de conservação estejam bem conectadas umas às outras, tornando mais fácil para os grandes símios se moverem conforme as condições mudam. O planejamento de novas áreas protegidas com base em modelos climáticos também pode ajudar, como observou a Sociedade Max Planck.

Os consumidores em países mais ricos também podem fazer sua parte pressionando empresas que extraem recursos como minerais para telefones, óleo de palma e madeira de forma insustentável dos atuais habitats dos macacos, como observou o The Guardian.

“O consumo global de recursos naturais extraídos de áreas de grandes macacos é uma das principais causas do declínio dos grandes macacos”, disse o autor do estudo Hjalmar Kühl, do Centro Alemão para Pesquisa Integrativa da Biodiversidade e do Instituto Max Planck para Antropologia Evolutiva, à Sociedade Max Planck. “Todas as nações que se beneficiam desses recursos têm a responsabilidade de garantir um futuro melhor para os grandes macacos, seus habitats, bem como para as pessoas que vivem neles, promovendo uma economia mais sustentável.”

Via Word Economic Forum

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.