A saudita Salma al-Shehab, de 34 anos e estudante da Universidade de Leeds, no Reino Unido, voltou para seu país para passar as férias e não pode mais retornar aos seus estudos. Ela foi processada e condenada a 34 anos de prisão por ter um perfil no Twitter e seguir ativistas pró-democracia.

Salma é mãe de dois filhos pequenos e recebeu, inicialmente, uma imposição de três anos de prisão. Contudo, o tribunal de apelações aumentou a sentença na última segunda-feira (15).

O caso levantou preocupações sobre a repressão do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman (MBS) contra dissidentes e ativistas domésticos.

Ativistas famosos dos direitos das mulheres, como Loujain Alhathloul , bem como estudiosos religiosos como Salman al-Awdah, foram presos, enquanto o jornalista dissidente Jamal Khashoggi foi morto no consulado saudita em Istambul em outubro de 2018.

Salma al-Shehab, presa por ter perfil no Twitter
Salma al-Shehab, presa por ter perfil no Twitter

A irmã de Loujain, Lina Alhathloul, disse: “A sentença chocantemente severa de Salma envia uma mensagem assustadora à sociedade saudita – que apesar de sua retórica de reforma, a autoridade dos políticos permanece como o inferno na terra em esmagar qualquer forma de dissidência pacífica. na Arábia Saudita, apesar de ter sido libertado.

“Ao reabilitar os líderes da Arábia Saudita, as nações ocidentais estão dando luz verde para que tais abusos ocorram. Em vez disso, a pressão internacional contínua deve ser exercida para ajudar a libertar Salma e trazer um progresso significativo nos direitos humanos no país”, disse Alhathloul, chefe de monitoramento e comunicações do grupo árabe de direitos humanos. Arábia Saudita ALQST, disse à Al Jazeera.

O caso retoma a campanha de repressão do príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman, que atacou usuários do Twitter, mesmo tendo uma grande participação indireta na empresa a partir do Fundo de Investimento Público do país.

Salma tão somente retuitou posts de dissidentes que pedem a liberdade de presos políticos na Arábia Saudita, e também apoiava Loujain al-Hathloul, líder feminista que foi presa por lutar pelo direito das mulheres de dirigir no país.

Uma fonte que acompanha o caso disse ao The Guardian que Shehab chegou a ser mantida em confinamento solitário. O Twitter ainda não se posicionou oficialmente sobre o caso.

Fonte: News5h, e R7

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.