A icônica escritora Nélida Piñon, que faleceu no último sábado (17) aos 85 anos, deixou um testamento de herança bastante claro: 100% dos direitos autorais de sua obra, além da posse de seus apartamentos no Rio de Janeiro passarão para suas cachorras de estimação e fiéis companheiras.

Serão contempladas a pinscher Suzy, de 13 anos, e a chihuahua Pilara, de 3.

O documento post mortem estabelece que somente após a morte dos dois animais é que os imóveis (4 ao todo, todos em um mesmo prédio de luxo na lagoa Rodrigo de Freitas) poderão ser vendidos. “É a casa delas”, afirmou a autora.

Nesse meio-tempo, foi estabelecido na linha de beneficiários a acompanhante Karla Vasconcelos, que foi responsável pelo estado de saúde de Nélida por vários anos.

Karla deverá ficar com os imóveis após o falecimento dos animais.

Leia tambémComo verificar se uma imagem tem direitos autorais? 5 maneiras de fazer isso

Nélida, célebre por se tornar a primeira presidente da Academia Brasileira de Letras, estava em Lisboa, capital portuguesa, quando faleceu em decorrência de complicações de uma cirurgia na vesícula.

O translado do corpo está sendo intermediado pela ABL com a embaixada portuguesa em Portugal. A escritora deverá ser enterrada no mausoléu da academia, no Rio, onde já está enterrada a mãe da acadêmica.

Nélida era apaixonada pelos animais – em especial, os cães. Ela teve vários em vida, inclusive Gravetinho, um pinscher que morreu de pneumonia em 2017, depois de 11 anos de convivência.

“Ele é muito astuto, sempre me surpreende quando volto de viagem e vou encontrá-lo”, comentou a autora ao Estadão em 2012. “Animais são muito astutos, mais até que o Ulisses de Homero.”

De acordo com o portal Uol, as cadelas Suzy e Pilara (homenagem à bisavó da escritora), que levam o sobrenome Piñon, estiveram com Nélida na manhã de sábado (17), no hospital em Lisboa. Aquela era uma uma despedida: horas depois, Nélida morreu.

Ela era filha única, não tinha parentes próximos e não deixou filhos.

Leia tambémAos 76 anos, Paul, sobrevivente da polio, é um dos últimos homens do mundo confinado em “pulmão de ferro”

Fonte: Estadão

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS







Gabriel tem 24 anos, mora em Belo Horizonte e trabalha com redação desde 2017. De lá pra cá, já escreveu em blogs de astronomia, mídia positiva, direito, viagens, animais e até moda, com mais de 10 mil textos assinados até aqui.