Um enorme iceberg, o maior do mundo, se soltou de uma plataforma de gelo na Antártica e está flutuando no Mar de Weddell, disse a Agência Espacial Européia.

Chamado de A-76, o gigantesco iceberg tem uma área três vezes maior que a da cidade de São Paulo, que é de 1.521 km².

O iceberg, que se partiu do lado oeste da plataforma de gelo de Ronne, foi originalmente localizado pelo British Antarctic Survey e confirmado usando imagens do satélite Copernicus.

Ele assume o lugar como o maior do mundo desde o iceberg A-23A – aproximadamente 3.880sq.km de tamanho – que também está no Mar de Weddell.

O Mar de Weddel, onde esse bloco de gelo vai flutuar, é uma porção do oceano que fica abaixo da América do Sul

Em novembro passado, o que era então o maior iceberg do mundo parecia estar em rota de colisão com uma ilha remota do Atlântico Sul, lar de milhares de pinguins e focas, ameaçando impedir sua capacidade de coletar alimentos.

O iceberg, conhecido como A68a, também se separou da plataforma de gelo de Larsen, que aqueceu mais rápido do que qualquer outra parte do continente mais meridional da Terra.

O A68a, que tinha 160 km de comprimento e 48 km de largura, quebrou antes que pudesse causar qualquer dano à abundante vida selvagem no Território Britânico Ultramarino da Geórgia do Sul.

A temperatura média da superfície da Terra aumentou um grau Celsius desde o século 19, o suficiente para aumentar a intensidade das secas, ondas de calor e ciclones tropicais.

Mas o ar sobre a Antártica aqueceu mais do que o dobro.

Os icebergs são tradicionalmente nomeados do quadrante Antártico em que foram originalmente avistados, com um número sequencial.

Se o iceberg quebrar, uma letra sequencial é adicionada.

A plataforma de gelo de Ronne, próxima à base da Península Antártica, é uma das maiores de várias enormes camadas de gelo flutuantes que se conectam à massa de terra do continente e se estendem para os mares circundantes.

O parto periódico de grandes pedaços dessas prateleiras faz parte de um ciclo natural, e a quebra do A-76, que provavelmente se dividirá em dois ou três pedaços em breve, não está ligada à mudança climática, disse Ted Scambos, um pesquisador glaciologista na Universidade do Colorado.

Scambos disse que o Ronne e outra vasta plataforma de gelo, o Ross, “se comportaram de maneira estável e quase periódica” no último século ou mais.

Como o gelo já estava flutuando no mar antes de se deslocar da costa, seu rompimento não aumenta o nível do oceano, disse ele.

Algumas plataformas de gelo ao longo da península Antártica, mais longe do Pólo Sul, sofreram rápida desintegração nos últimos anos, um fenômeno que os cientistas acreditam estar relacionado ao aquecimento global, de acordo com o US National Snow & Ice Data Center.

Informações do G1

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.