Na costa da Nova Zelândia, um grupo de biólogos marinhos descobriu uma mãe golfinho-nariz-de-garrafa que adotou um filhote de baleia-piloto.

O Far Out Ocean Research Collective, com sede em Kiwi, descobriu os mamíferos navegando na Baía das Ilhas, no norte da Nova Zelândia, e agora documentou a dupla em duas ocasiões distintas com cinco semanas de intervalo.

Embora não seja inédito que os golfinhos adotem bebês de outras espécies, é muito raro registrar o fenômeno com uma diferença tão significativa no tamanho das espécies. Os golfinhos nariz-de-garrafa podem atingir 300 quilos, o que não é pouca coisa – exceto que as baleias-piloto podem crescer até duas toneladas e atingir seis metros de comprimento.

“Ela pode ter perdido seu próprio filhote”, disse o pesquisador Jochen Zaeschmar a repórteres locais sobre o comportamento do golfinho.

O Independent relatou em 2019 que pesquisadores na Polinésia Francesa encontraram um golfinho-nariz-de-garrafa que adotou um filhote de baleia com cabeça de melão e que os dois permaneceram juntos por três anos.

Os cientistas não sabem exatamente por que isso acontece, e existem hipóteses de que é um instinto maternal equivocado – talvez acentuado se uma mãe golfinho perdeu seu filhote e encontra um filhote que perdeu sua mãe. No entanto, os pesquisadores na Polinésia Francesa, ponderando em seu artigo publicado sobre a descoberta, sugeriram que ela poderia ser parte da “personalidade” da mãe, o que é um pensamento cativante.

Independentemente do que os reúne, esses casos de adoção duram apenas enquanto estiver no estágio de crescimento, já que os padrões de caça de baleias e golfinhos são tão diferentes – e nesse ponto a baleia adotada chega ao mundo sozinha.

Adaptado de GNN

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.