Pesquisadores do projeto Carroças do Futuro, da ONG Pimp my Carroça, desenvolveram e vão fornecer, com a ajuda de empresas, carroças e triciclos elétricos aos catadores de reciclagem.

Os veículos são equipados com um motor abastecido na tomada comum. As carroças podem chegar a 5 km/h e os triciclos elétricos a 40 km/h.

A gestora do projeto Carroças do Futuro, Adriane Andrade, disse que a ideia surgiu do artista plástico Mundano, fundador da ONG Pimp My Carroça e conhecido por pintar veículos de catadores.

Leia também: Startup em Uganda recicla garrafas plásticas em protetores faciais de EPI para hospitais

Ela conta que a intenção do artista é fazer com que o catador deixe de ser “o homem do saco” e tenha seu trabalho reconhecido e valorizado pela sociedade.

“É cuidando da ferramenta de trabalho das pessoas que elas começaram a mudar. Começamos nosso projeto em 2019 em parceria com Instituto Clima e Sociedade. Pesquisamos iniciativas anteriores que buscavam colocar motores em carroças e nos reunimos com engenheiros elétricos, engenheiro mecânico, especialistas em energia solar, especialistas em gerenciamento de resíduos, estudantes e fizemos seis protótipos”, afirmou.

Leia também: Coca-Cola é o maior poluidor de resíduos plásticos do mundo pelo segundo ano consecutivo

A partir dos seis primeiros protótipos, a ONG fez uma parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), para construir projetos técnicos dos novos veículos.

O grupo então criou seis protótipos com o apoio do Instituto Clima e Sociedade, de engenheiros eletricistas, engenheiros mecânicos, especialistas em energia solar e gerenciamento de resíduos, além de estudantes dessas áreas.

Foi com a participação dos próprios catadores, que deram suas opiniões e ideias, que a equipe da ONG chegou aos dois projetos finais: em grandes cidades, serão usadas carroças elétricas, enquanto os profissionais de cidades litorâneas vão receber triciclos, já que o terreno costuma ser mais plano nesses locais.

As carroças elétricas ainda devem ser puxadas pelo catador, mas o motor, que chega a 5 km/h, vai facilitar muito o deslocamento, principalmente em subidas. Já os triciclos podem alcançar 40 km/h, de acordo com informações divulgadas pelo Carroças do Futuro.

Em 2020 o projeto também disponibilizou quatro triciclos elétricos para a utilização dos catadores e foram coletados feedbacks para a realização dos aprimoramentos necessários.

Os testes têm como objetivo avaliar os protótipos para que atendam às necessidades dos catadores de materiais recicláveis, valorizando e potencializando o trabalho desses profissionais que prestam um serviço essencial para limpeza urbana e preservação ambiental.

Fonte: Ciclo Vivo / Estadão / BBC

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.