A verdadeira história de médicos italianos em Roma que salvaram judeus durante o Holocausto por meio de uma doença horrível e contagiosa que não era real.

Houve um vírus completamente inventado na história ? Uma doença falsa , fictícia, uma doença que realmente não existia? Sim, mas não é para negadores. É memória histórica, a busca de um estratagema para escapar do mal. Estamos em Roma , ano 1943: nos dias da ocupação nazista, uma doença desconhecida e muito contagiosa se espalhou por aqui. Foi a Síndrome K , concebida à mesa para libertar os judeus.

Sim, porque a ” Síndrome K ” realmente não existia, mas foi inventada do zero por três médicos da Fatebenefratelli – na Ilha Tiberina, bem em frente ao Gueto Judeu – que os diagnosticaram com a Síndrome K para salvar dezenas de Judeus da deportação , uma doença mortal, desfigurante e superinfecciosa.

Tudo falso

Um truque, o de prescrever aos judeus uma doença misteriosa que de fato aterrorizou os nazistas e salvou os judeus romanos. A doença não existia em nenhum livro de medicina nem havia sido estudada. Na verdade, nem estava lá. Era um codinome inventado pelo médico e ativista antifascista Adriano Ossicini . Em suma, a falsa doença foi vividamente imaginada, por Ossicini e além, com ele também estavam dois outros médicos: Giovanni Borromeo e Vittorio Sacerdoti .

Todos os três encenaram o impensável: os quartos que abrigavam os ” sofredores da síndrome K ” foram designados como perigosamente infecciosos – impedindo assim os inspetores nazistas de entrarem – e as crianças judias foram instruídas a tossir, imitando a tuberculose, quando passassem.

“ Nós o batizamos de K em homenagem ao comandante alemão Kesselring: os nazistas pensaram que era câncer ou tuberculose e fugiram como coelhos ” , disse Vittorio Sacerdoti à BBC em 2004 (foto abaixo, retirada do site Syndrome K).

1. O rodeio

Na madrugada de 16 de outubro de 1943, sábado e dia de descanso dos judeus, as tropas alemãs invadiram o gueto de Roma para um cerco à comunidade judaica romana, possibilitado pela lista de seus nomes fornecida pelo Ministério do Interior do governo Mussolini. 1.024 pessoas (incluindo 200 crianças) foram sequestradas e deportadas para Auschwitz. Apenas 16 sobreviveram e nessas horas muitas famílias buscaram refúgio no vizinho Hospital Fatebenefratelli.

Foi assim que Vittorio Sacerdoti, então um jovem médico de 28 anos, que com Giovanni Borromeo e outros combatentes antifascistas, traçou um plano para ocultar o maior número possível de judeus antes que fossem presos.

Leia também: O que acontece quando você se rebela contra o rebanho

2. “Proibido entrar”

Os médicos começaram a internar os fugitivos no hospital, diagnosticando-os com uma doença perigosa, a Síndrome K, que levou o nome de “doença de Kesserling”, um general nazista encarregado de manter o controle da Itália ocupada, ou mesmo Herbert Kappler, o O tenente-coronel SS encarregado da Gestapo em Roma, que liderou a batida policial.

Mas, para os alemães, aquele K evocava a doença de Koch, a tuberculose , e eles tinham medo disso.

Os médicos mandaram não acessar as enfermarias onde os pacientes contagiosos estavam internados.

“ No dia em que os nazistas chegaram ao hospital – conta Sacerdoti – alguém veio ao nosso consultório e disse: ‘Você tem que tossir, tossir constantemente porque isso assusta, eles não querem pegar uma doença perigosa e não vão entrar ‘”.

E assim foi. Até o momento não se sabe ao certo quantos “pacientes” foram salvos pela astúcia daqueles médicos. Mas uma coisa é certa: isso é história.

Leia também: Hannah Arendt explica como a propaganda se utiliza da mentira para desgastar a moralidade: percepções das origens do totalitarismo

3. O documentário

Para refazer essa história, o documentário ” Síndrome K – O vírus que salvou os judeus ” está disponível no discovery + .

E encerramos com uma farsa de Tullia Zevi , jornalista e escritora antifascista, autora, entre outras coisas, de “ Vou contar a minha história. Diálogo entre avó e neta sobre judaísmo “:

“ Nós também somos o que lembramos. Somos feitos de nossas memórias. Uma pessoa que vive apenas no presente e não tem plena consciência do que está atrás dela não é totalmente humana ”.

Do site GreenMe – Imagem de capa: Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.