Quando criança em Cuba, Angela Alvarez queria ser cantora. Mas seu pai, muito tradicional, a proibiu de seguir seu sonho.

Para piorar, a crise econômica e política cubana que se instaurava na época obrigou ela e a família a fugirem do país e irem para os Estados Unidos.

Na juventude, Angela começou a trabalhar como faxineira – profissão que manteve pelas décadas seguintes. Até então, ela nunca pensou que seria capaz de realizar seu antigo sonho de criança.

Mas agora, aos 95 anos, ele não é apenas realidade, mas motivo de orgulho e reconhecimento internacional: Angela foi indicada ao Grammy Latino!

“Às vezes, eu me belisco para ter certeza que não estou sonhando”, disse a idosa ao jornal Washington Post. Quando a cubana tinha 14 anos, ela já dominava o piano e o violão, mas seu pai recusou a ideia de que ela se tornasse cantora. “Você canta para a família, mas não para o mundo”, ela se lembra dele dizendo. “Eu o amava tanto”, disse Angela. “Eu gostava de ser obediente.”

Leia também: A comunidade de Rabona apostas considera a classificação da La Liga previsível

A mulher decidiu abandonar seus objetivos de carreira, se casou aos 19 anos e teve quatro filhos: três meninos e uma menina. Quando Castro assumiu o poder em 1959, Alvarez e seu marido, Orlando, engenheiro açucareiro, optaram por partir para a América.

Depois de quase dois anos, Angela finalmente conseguiu um trabalho como faxineira, e podia cuidar melhor dela e dos filhos, que passavam por dificuldades devido à situação financeira da família.

Como ela mesma afirma, sua vida foi maravilhosa por um tempo até que Orlando morreu de câncer de pulmão aos 53 anos em 1977. Em 1999, Alvarez perdeu a filha também para a doença.

Alvarez compartilha que ela contou com a música para ajudá-la a lidar com a agonia durante todas as dificuldades que enfrentou, cantando canções sobre sua terra natal, Cuba.

Ela escreveu mais de 50 músicas durante sua vida, cada uma capturando a grande dor e amor que ela experimentou. “A música é a linguagem da alma”, diz. Mas como seu pai lhe dissera, ela só deixava sua família e amigos ouvirem sua música.

Cerca de 8 anos atrás, tudo isso mudou. Carlos José Alvarez, seu neto, compositor, cresceu ouvindo a avó cantar em ocasiões familiares. Sua carreira, segundo ele, foi profundamente inspirada por ela e ele decidiu gravar suas músicas. O homem de 42 anos, que chama sua avó de “Nana”, diz que se lembra da voz “angelical e emotiva” de sua avó toda vez que a visitava quando criança. “Ela pegava uma guitarra e cantava.”

À medida que sua avó envelhecia, Carlos queria “preservar o legado da família”, e um dia decidiu comprar um microfone para ela e pediu que ela tocasse suas músicas. “Eu não sabia que essas músicas eram como um diário de sua vida. Tudo fazia sentido”, disse. “Você pode ouvir a vida que ela viveu em seu canto.”

“Eu disse a ele um dia que gostaria de fazer um CD, porque gostaria que as pessoas conhecessem minha música”, diz Angela.

Em 2016, ele fez planos para trazer sua avó para Los Angeles para gravar suas músicas lá. “Foi lindo para mim”, compartilhou a vovó. Carlos ajudou ela a produzir um álbum de 15 faixas, intitulado “Angela Alvarez, Carlos”. Ele decidiu que isso não era suficiente e que ela precisava contar sua história. Andy Garcia concordou de todo o coração em produzir e narrar o documentário “Miss Angela”, que narra sua vida, música e carreira aos 90 anos.

“Estou muito feliz e muito orgulhosa”, afirmou a vovó.

Ela realizou seu primeiro show público em seu aniversário de 91 anos, deixando o público hipnotizado. A carreira de Alvarez decolou mais do que ela poderia imaginar nos últimos 12 meses. No remake de “Father of the Bride” de 2022, no qual ele estrelou, Garcia a escalou para ser a personagem Tia Pili. No entanto, a indicação de Alvarez para Melhor Artista Revelação no Grammy Latino, que veio a público em setembro, é seu maior sucesso até hoje. Ela espera que sua história ensine as pessoas a “nunca dizer ‘eu não posso fazer isso’”. Você consegue. Tente sempre.”

A indicação também foi significativa para Carlos, que sente que já ganhou. “O fato de ela ter sido indicada como melhor artista revelação, pela música que ela começou a escrever na década de 1940, é simplesmente inacreditável. A ideia de que aos 95 anos você ainda pode ser reconhecido pelo que fez”, continuou ele, “isso é o ouro. Nós ganhamos. Ganhamos em todos os níveis”.

Leia também: Sylvester Stallone posa para foto com suas filhas às vésperas da estreia de seu reality show

Fonte: Washington Post

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS