Salma al-Shehab, saudita de 34 anos e estudante da Universidade de Leeds, no Reino Unido, voltou para seu país para passar as férias, mas foi condenada a 34 anos de prisão por ter um perfil no Twitter e seguir ativistas pró-democracia.

O caso retoma a campanha de repressão do príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman, que atacou usuários do Twitter, mesmo tendo uma grande participação indireta na empresa a partir do Fundo de Investimento Público do país.

Mãe de dois filhos pequenos, Shehab inicialmente foi condenada a três anos de prisão, mas um tribunal de apelações aumentou a sentença na última segunda-feira (15).

Leia também: Mulher da Arábia Saudita é condenada a 34 anos de prisão por ter perfil no Twitter

Ela é acusada de causar “agitação pública e desestabilizar a segurança civil e nacional” e também está proibida de viajar por 34 anos. Segundo o jornal britânico The Guardian, Shehab ainda pode buscar um novo recurso no caso.

A jovem saudita não é uma líder ativista e conta com poucos seguidores em suas redes sociais. Ela chegou a retuitar posts de dissidentes que pedem a liberdade de presos políticos na Arábia Saudita, e também apoiava Loujain al-Hathloul, líder feminista que foi presa por lutar pelo direito das mulheres de dirigir no país.

Uma fonte que acompanha o caso disse ao The Guardian que Shehab chegou a ser mantida em confinamento solitário. O Twitter ainda não se posicionou oficialmente sobre o caso.

Leia também: Desafio visual extremo: você consegue encontrar o homem escondido na face do leão em 10 segundos?

Fonte: Isto É

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS