Quando Sarah Culberson pisou pela primeira vez em Bumpe, Serra Leoa, em 2004, ela não tinha ideia do que esperar. Fazia apenas alguns dias que ela descobrira seu pai biológico, descobrira que tinha família na África Ocidental e que era considerada uma princesa naquela parte do mundo.

E agora aqui estava ela, do outro lado do Oceano Atlântico, testemunhando o impensável: crianças sem membros, escolas reduzidas a escombros e bairros inteiros destruídos ou totalmente queimados.

“Foi impressionante. A realidade não era apenas, ‘Venho para conhecer minha família e está tudo perfeito.’ Foi um choque de realidade. É isso que as pessoas estão vivendo. Essa é a minha família. Como essa princesa vai fazer parte dessa comunidade e fazer a diferença no país?” Culberson disse à NBC News.

Leia tambémA universidade mais antiga do mundo fica no Marrocos e foi fundada por uma mulher

“Senti a inquietação de Freetown. Pude sentir no ar que as pessoas estavam nervosas e tentando se proteger. Embora houvesse paz por dois anos, as pessoas ainda estavam em guarda”, acrescentou ela.

Criada na Virgínia Ocidental depois de ser adotada por uma família branca dois dias antes de seu primeiro aniversário, Sarah cresceu alheia à brutal guerra civil de uma década em Serra Leoa, que matou dezenas de milhares de pessoas e deixou muitos sem membros.

Foi só quando ela começou a procurar sua família biológica aos 28 anos que ela encontrou seu vínculo totalmente inesperado com o país.

Depois de descobrir que sua mãe biológica havia morrido quando ela tinha 11 anos, Sarah contratou um investigador particular para procurar seu pai biológico.

A busca culminou em uma ligação de seu tio, que lhe deu algumas informações que mudaram sua vida. “Oh, Sarah, estamos tão felizes por você ter sido encontrado! Você sabe quem você é? Você faz parte de uma família real.

Seu bisavô era um chefe supremo. Seu avô, seu tio dirige uma chefia de 45.000 ( agora 70.000). Você pode ser chefe. Você é considerada uma princesa neste país “, Sarah contou as palavras de seu tio ao NowThis News .

Sarah soube naquele dia que é parente da tribo Mende em Bumpe, que é a realeza africana. Os Mende — geralmente encontrados no leste e no sul do país — são um dos dois maiores grupos étnicos de Serra Leoa, representando 33,2% da população do país. Como filha de um chefe supremo, Sarah é considerada uma mahaloi, o que a torna princesa da aldeia de Bumpe.

“Minha única orientação sobre o que era uma princesa era o que eu via nos filmes”, explicou ela. “[Mas] é realmente uma questão de responsabilidade. Trata-se de seguir os passos de meu bisavô e meu avô e o que eles fizeram pelo país. Percebi que esse é meu papel como princesa, continuar levando as coisas adiante no país.”

Ao contrário da crença popular, o título de prestígio de Sarah não significa que ela ficou rica. Em vez disso, ela herdou a imensa responsabilidade de restaurar edifícios, promover a segurança e oferecer esperança às pessoas que sobreviveram a uma guerra brutal.

Juntando-se a seu irmão biológico Hindo Kposowa, Sarah fundou a Fundação Kposowa para ajudar a reconstruir a Bumpe High School e promover a educação no país. “Quase desde sua primeira visita a Serra Leoa para conhecer seu pai, [Sarah] viu seu papel de ‘princesa’ como aquele que envolvia tentar encontrar alguma maneira de ajudar. Ela certamente reconheceu sua estreita ligação com uma família, chefia e país; seu trabalho melhorar a vida lá demonstrou um tremendo crescimento pessoal em muitas áreas”, disse James Culberson, pai adotivo de Sarah.

Desde que foi criada em 2006, a Fundação Kposowa – agora chamada Sierra Leone Rising – tem se concentrado em fornecer água potável ao país. Em dezembro de 2020, a fundação conseguiu fornecer nove poços, que atendem cerca de 12.000 pessoas em Serra Leoa.

O grupo também está trabalhando para fornecer absorventes reutilizáveis ​​para mulheres menstruadas, com a esperança de reduzir a taxa de abandono escolar devido à falta de acesso a produtos menstruais.

Sarah e Kposowa também lançaram a campanha “Mask On Africa” ​​no ano passado para ajudar a retardar a propagação do COVID-19 em Serra Leoa.

“Eu estava tipo, ‘OK, vamos fazer isso. Estou disposto a fazer o trabalho. Custe o que custar.’ Esta organização sem fins lucrativos nos uniu de uma maneira maravilhosa”, disse Sarah.

“Meu pai biológico e eu fizemos muito trabalho junto com a fundação, junto com meu irmão. Entrei em um espaço que foi muito novo para mim e me desafiou de várias maneiras.” Descobrir que ela é uma princesa mudou a trajetória de sua vida para sempre, acrescentou. “E mudou para melhor”, disse ela. “Definitivamente, isso me fez crescer muito como pessoa, e muito rapidamente. Vejo a importância. Vejo que sou apenas uma das partes móveis do trabalho que está sendo feito em Serra Leoa. Eu honro e aprecio isso.”

Leia tambémMineira prodígio de 18 anos ganha bolsa de estudo de R$ 2 milhões e vai se mudar para a Califórnia

Fonte: Upworthy

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS







Gabriel tem 24 anos, mora em Belo Horizonte e trabalha com redação desde 2017. De lá pra cá, já escreveu em blogs de astronomia, mídia positiva, direito, viagens, animais e até moda, com mais de 10 mil textos assinados até aqui.